Archive for the ‘Review’ Category

h1

Conheça o Clube do Berro

novembro 5, 2009
Clube do Berro

Clube do Berro - Grupo independente representando o RAP Nacional

O Clube do Berro surgiu no ano de 2003, diretamente do bairro do Grajaú, na Zona Sul de São Paulo. Formado pelos MC’s Léo Understyle, Fantos Lion, Alp Lírico, Esze, Vacão, Gor-Flow e Nasza, o Clube do Berro vem desenvolvendo um trabalho constante na música RAP e focado na boa música e profissionalismo.

Correndo com suas próprias pernas para colocar seu primeiro trabalho nas ruas, entitulado “Mixturado” de 25 faixas, o grupo conseguiu uma boa aceitação, com uma produção independente e única. Seu trabalho teve continuidade através dos shows do grupo e agora eles se preparam para o lançamento do 2º CD de sua carreira, dando sequência ao bom trabalho desempenhado no passado.

Ainda em fase de gravação, as próximas faixas do Clube do Berro prometem agradar àqueles que apreciam uma boa música e, principalmente, o bom e original RAP Nacional.

Confira mais informações sobre o Clube do Berro:

Myspace
Orkut
Blog

DOWNLOAD DO PRIMEIRO CD VIA MEGAUPLOAD

Veja também um dos vídeos do show do Clube do Berro no Projeto Xadrez Sem Muros (clique para ver os outros vídeos do evento)

Anúncios
h1

Download Marcelinho O’Rapper – No Fino da Nova Bossa

julho 4, 2009

Espaço de Publicidade
| CD’s de RAP | Discos de Vinil de RAP | DVD’s de RAP | Mesa de Som |
Ajude o Cena Hip-Hop

Capa do CD No Fino da Nova Bossa

Capa do CD No Fino da Nova Bossa

Marcelinho O’Rapper começou em 1997 no rap, desde lá, muitas idéias e ocorridos viraram musicas. O primeiro disco chama-se “Marcelinho O’Rapper – A Verdade em Versos”, agora com “No Fino da Nova Bossa”, Marcelinho se destaca pelas letras inteligentes, melodias marcantes e uma produção independente de alta qualidade, sem contar as participações especiais que dão um boost nesse excelente CD.

Minha favorita é “De Rolé”, por questões de lembranças… foi um som que marcou época pra mim, principalmente por causa da Mixtape Rio 202 – Contos & Batidas. Outra que entra no hall das favoritas é “Amanhã Sem Falta”. O negócio é conferir esse rap de primeira vindo lá dos pampas gaúchos e pra isso o Cena Hip-Hop traz o download do cd completo  pra você experimentar.

Mas se gostou mesmo do som, entre em contato com o Marcelinho pelo Myspace do cara e dá um jeito de comprar o cd, porque esse aí vale a pena guardar na estante.

DOWNLOAD AQUI!

Espaço de Publicidade
| CD’s de RAP | Discos de Vinil de RAP | DVD’s de RAP | Mesa de Som |
Ajude o Cena Hip-Hop

h1

Download |Track Cheio – Coletânea Independente Vol. 01

junho 28, 2009

Espaço de Publicidade
| CD’s de RAP | Discos de Vinil de RAP | DVD’s de RAP | Mesa de Som |
Ajude o Cena Hip-Hop

Fazia um bom tempo que não baixava uma bela produção típica da CWB. Graças a dica do Cabes, entrei no blog TrackCheio pra conferir umas festas em Curitiba. Zanzando pelo site achei também essa excelente coletânea produzida pelo Cabes e Cilho e que está lá pra baixar, completa e gratuita. Além da Coletânea Independente Vol. 01 que você pode pegar aqui embaixo, existem lá alguns outros excelentes trabalhos pra você baixar gratuitamente, então aproveite.

Coletânea Track Cheio Independente Vol. 01

Coletânea Track Cheio Independente Vol. 01

Track List

01. DJ Sonik – Zero Grau (Prod. Cabes)
02. Magú – Andarilho (Prod. Cabes & Cilho)
03. Mentekpta – Satisfazte Cemporcento (Prod. Cilho)
04. Bigue – Irreversível (Prod. Cilho)
05. Cadelis – Perigo (Prod. Cabes)
06. Produto Diverso – Sol (Prod. Cilho)
07. Cabes – Diga Sim (Prod. Cabes)
08. Savave – Saída de Emergência (Prod. Cilho)
09. Nairóbi – Grite ao Infinito (Prod. Cabes)
10. DJ Morenno – Vamo Aí (Prod. Cabes)
11. Cabes – Essa é a jornada ft. Cris Mora (Prod. Cilho)
12. Bigue, Cilho  & Cabes – Por um Impulso (Prod. Cabes)
13. Rapzodo – Agora (Prod. Cilho)
14. Cilho & Cabes – Rua Deserta (Prod. Cilho)
15. Murf – Depois de um Longo Tempo (Prod. Cabes)
16. Toninho ft. Cabes – Desilusão (Prod. Cabes)
17. Bigue, Cilho & Cabes – Track Cheio (Prod. Cabes)
18. Cabes, Cilho & Arcanjo – Reza da Proteção (Blues da Liberdade)

BAIXE AQUI!

Espaço de Publicidade
| CD’s de RAP | Discos de Vinil de RAP | DVD’s de RAP | Mesa de Som |
Ajude o Cena Hip-Hop

Espaço de Publicidade
| CD’s de RAP | Discos de Vinil de RAP | DVD’s de RAP | Mesa de Som |
Ajude o Cena Hip-Hop
h1

Linha Dura

junho 24, 2009

Espaço de Publicidade
| CD’s de RAP | Discos de Vinil de RAP | DVD’s de RAP | Mesa de Som |
Ajude o Cena Hip-Hop

Rapper Cuiabano engajado em movimento social e militante do Movimento Hip-Hop, desde o ano de 1996, Paulo Fagner da Silva Ávila, também conhecido como Linha Dura, traz em sua veia os sons e ritmos da raiz negra, e uma história de muita magia musical que embalou sua infância na cidade de Barão do Melgaço, cidade esta rica na preservação da cultura popular, passando de geração a geração os ritmos e os mitos do Siriri e Cururu.

Para Linha Dura este foi o início de uma grande história musical, pois desde então este ritmo e sons fantásticos e a importância da valorização da cultura popular tem influenciado e muito suas composições. Segundo Linha Dura “o Siriri e o Cururu é mais do que som, é uma manifestação afro-mato grossense”. Ao compor com os sons desta manifestação sempre teve uma grande preocupação “não seqüestrar a cultura”, isto demonstra a grandeza deste Raper que tem se destacado por valorizar a cultura popular por meio do Rap.

As letras de suas músicas são inspiradas em temas relevantes para o movimento Hip Hop, como contextos sócio-político, cultural e educacional, refletindo a realidade das ruas, dos jovens viciados. Todos estes contextos das lutas sociais lhe permitiram buscar inspiração em grandes nomes, como por exemplo, Paulo Freire dentre outros tantos que o tem inspirado. Essa inspiração tem dado outro tom em suas letras e também nos mostra o que o Rapper Linha Dura tem de diferente. Essa diferença fica evidente quando ouvimos a música Pensamento Próprio, quando ele traz à tona a discussão sobre o processo da degradação educacional em nosso país, contextualizado por uma fala de Paulo Freire falando sobre a importância das lutas e das marchas pela causas sociais.

Para saber mais sobre o trabalho dele, só visitar o Myspace do cara, que tem muito mais informação. Esse texto, aliás, foi retirado de lá.

Espaço de Publicidade
| CD’s de RAP | Discos de Vinil de RAP | DVD’s de RAP | Mesa de Som |
Ajude o Cena Hip-Hop

h1

Maconha: Rumo a Legalização?

junho 16, 2009

Espaço de Publicidade
| CD’s de RAP | Discos de Vinil de RAP | DVD’s de RAP | Mesa de Som |
Ajude o Cena Hip-Hop

Atualização: Leitura recomendada http://moca-do-sonho.blogspot.com/2009/06/maconha-hora-de-legalizar.html

Um dos temas frequentemente abordados entre usuários e normalmente ignorado entre os “caretas”, a legalização da maconha tem sido bastante discutida em diversos meios. Acredito que vivemos em uma época onde a discussão dos valores sociais se torna cada vez mais importantes, principalmente quando começamos a ver que as medidas tomadas em relação ao consumo de drogas recreativas há 20 anos atrás, surtiram um efeito contrário do esperado.

Bem, acredito que a legalização da cannabis seja tão polêmica porque cria logo uma brecha para que se legalizem todas as drogas, já que o argumento de liberdade serve para todos. No entanto, é preciso repensar um pouco certos conceitos, até mesmo sobre a maconha, para que possamos ter a liberdade sem causar um grande impacto social.

Drogas já legalizadas

O mais incrível quando se toca nesse assunto, é que eu paro para pensar como somos sujeitos a dezenas de outras drogas que muitas vezes nos fazem mal, tanto quanto ou mais que, as drogas ilegais.

Claro, não vamos comparar aqui os efeitos do crack em relação a um anti-gripal, mas a questão é que as mesmas pessoas que criticam o uso da cannabis, muitas vezes são viciadas em anti-depressivos, remédios para emagrecer, vitaminas e muitas outras substâncias que usadas incorretamente podem levar até à morte.

Vou me ater a citar aqui as duas mais comuns, que se vê todos os dias: cigarro e bebida. O consumo do álcool no Brasil já é considerado cultural, afinal de contas todo mundo gosta de uma cervejinha depois do trabalho. A verdade é que a bebida é uma droga letal, socialmente perigosa (alguém aí falou “briga de bar”?) e potencialmente danosa para a vida familiar, porém, é legalizada.

Enquanto a maconha também possui algumas dessas características também, segundo a Organização Mundial da Saúde, ela é menos perigosa (relevando fatores sociais, de saúde e familiares), do que o álcool. Os efeitos psicotrópicos de um baseado são muito menos extremos do que um porre.

Então por que ainda existe tanto preconceito quanto ao uso da cannabis? Por que as pessoas que nos proíbem de usa-la muitas vezes são usuários de outras substâncias muito mais nocivas? Aposto que o cara que assinou a lei o fez bebendo um uísque e fumando um cigarro, então até onde vai a hipocrisia do brasileiro?

Conscientização

O fator mais importante em um processo de legalização é o ato de conscientizar a população sobre seu uso. Mesmo aqueles que amam a maconha, é preciso saber que o uso exagerado de QUALQUER substância faz mal a longo prazo. Já foi comprovado que o baseadinho pode causar câncer tanto quanto cigarro, e todo mundo que usa sabe dos problemas de memória que ela causa. Todos os efeitos da cannabis deveriam ser estudados com mais seriedade, a população deveria estar consciente do que acontece ao utilizar determinadas substâncias, pois o desconhecimento é que leva a experimentação.

Se queremos um país legalizado, temos que ter uma país consciente também, onde as pessoas saibam dos males causados pelas substâncias que usam, para assim poderem utilizá-las de forma adequada e sem tantos riscos para a saúde.

Sociedade

Estar em uma sociedade “legalize” não quer dizer que agora todo mundo pode sair na rua fumando um baseadão e pronto. Temos que ter a consciência de que existem locais mais propícios para tal, como dentro de casa e, hipotéticamente, clubes, cafés e estabelecimentos específicos para tal, com estrutura para que a pessoa possa consumir sem correr riscos e também sem incomodar aqueles que não fazem parte disso.

Até por haver muito preconceito em relação ao uso da maconha e também por questões de influência social, se fizermos mal uso de uma liberdade dessas, ela não servirá de nada. Outra coisa importante é ensinar a juventude sobre as drogas, seus efeitos e suas consequências, pois como um garoto de 14 anos vai negar algo que ele não conhece? A curiosidade na adolescência leva a diversos vícios, como bebida, cigarro, maconha, cocaína e por aí vai… Se o jovem estiver consciente do que pode acontecer com ele, estará muito menos propício a cair nessas armadilhas.

Comércio e Tráfico

Uma das maiores preocupações das autoridades sobre o uso de drogas psicoativas é justamente o tráfico, que além de prejudicar a sociedade como um todo, acaba prejudicando o próprio usuário e traficante. Afinal de contas, ao vender cannabis, ele se torna um criminoso, enquanto montar um bar não lhe trará nenhum incomodo com a lei. Com a legalização haveria ainda um comércio paralelo, acredito, porém em escalas muito mais controláveis.

O Brasil apresenta o clima ideal para o cultivo da cannabis e diversos outros produtos podem ser extraídos da planta, não apenas o fumo. A fibra da cannabis sativa é a fibra mais resistente da natureza, ideal para a confecção de roupas, cordas, sapatos e já existem até bancos de carro feitos do material. A Adidas é uma das marcas que investiu forte nesse mercado, lançando toda uma linha de produtos feitos com a fibra de cannabis. Fora isso, o consumo legalizado traria consigo também taxas e impostos que poderiam ser usados nas áreas da saúde e educação por exemplo, além de gerar novos mercados, o que vai gerar novos empregos e novas fontes de renda. Parte do dinheiro das vendas poderia ser utilizado até mesmo para as campanhas de conscientização do uso ou na recuperação de dependentes de drogas mais fortes como o crack e a cocaína, tirando um certo peso das costas dos cofres públicos.

Concluindo

Minha opinião é de que o processo de legalização da maconha seria muito benéfico, mas é um processo e deve ser levado com seriedade e compromisso social, para que essa liberdade seja utilizada da melhor forma possível. Isso levará tempo, mas acredito que acontecerá mais cedo ou mais tarde.

Bem, resolvi escrever esse artigo inspirado por uma notícia publicada na Comunidade Movimento C.O.N.E. do grupo ConeCrew. Recomendo a leitura e participação. E não esqueça de deixar sua opinião aqui também, seja você pró ou contra legalização, queremos ouvir as sugestões de todos. A discussão desse tipo de tema é essencial para que se possa chegar na melhor solução.

Espaço de Publicidade
| CD’s de RAP | Discos de Vinil de RAP | DVD’s de RAP | Mesa de Som |
Ajude o Cena Hip-Hop

h1

Brutal Crew – Brutal Mixtape Download

junho 10, 2009

Espaço de Publicidade
| CD’s de RAP | Discos de Vinil de RAP | DVD’s de RAP | Mesa de Som |
Ajude o Cena Hip-Hop

Brutal Crew

Fundado em 99 o BRUTAL CREW é uma organização de jovens ativistas da cultura Hip Hop com o objetivo de servir de base para o desenvolvimento de seus projetos, trabalhando naturalmente de maneira coletiva e combinando as habilidades de seus integrantes. A troca de experiências e as habilidades dos integrantes dessa família/projeto é o principal recurso do coletivo que tem como base o bairro da Lapa, no Rio de Janeiro.

Ainda lembro bem quando ouvi o Brutal pela primeira vez, naquele som “Estilo Talibã”, cruzando a Ponte Collombo Salles aqui em Floripa com meus camaradas. Desde então Brutal Crew entrou para a minha lista de grupos favoritos. Vale a pena conferir, então baixe:

Download Aqui

Espaço de Publicidade
| CD’s de RAP | Discos de Vinil de RAP | DVD’s de RAP | Mesa de Som |
Ajude o Cena Hip-Hop

h1

Sinal – Cadê o RAP da Cidade?

maio 25, 2009

Espaço de Publicidade
| CD’s de RAP | Discos de Vinil de RAP | DVD’s de RAP | Mesa de Som |
Ajude o Cena Hip-Hop

Um dos novos sons que eu tenho ouvido na net e me chamou bastante a atenção, Sinal nasceu em Alagoinhas, Bahia. Começou a ouvir RAP cedo, apesar da dificuldade em encontrar o gênero em sua região natal. Sua paixão pelo RAP o levou a se envolver musicalmente em 2006, quando começou a rimar, compor, participar e organizar eventos de RAP, junto a MC Mamá e MC Osmar e auxiliando na produção de outros MC’s locais, como Ed+, buscando sempre a união entre os rappers da cidade.

Recentemente, Sinal lançou a Mixtape “Pare, Olhe, Escute”, disponibilizando para download e, mais uma vez, ajudando a divulgar o movimento da sua região.

Vale a pena conferir.

Para mais informações acesse:

Myspace: www.myspace.com/sinalrap
Palco Mp3: http://palcomp3.cifraclub.terra.com.br/sinalrap/
Orkut (onde você encontra links para muitas de suas músicas): http://www.orkut.com.br/Main#Profile.aspx?uid=16640607897809653134

Espaço de Publicidade
| CD’s de RAP | Discos de Vinil de RAP | DVD’s de RAP | Mesa de Som |
Ajude o Cena Hip-Hop